Facebook Flickr Youtube Contato
Pular para o conteúdo

Histórico Histórico

CÂMARA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA DE BRAGANÇA PAULISTA

Câmara Municipal da Estância de Bragança Paulista

Câmara Municipal da Estância de Bragança Paulista

Mais de duzentos anos de história (1797-2016) alicerçados em lutas, sonhos, ideais, acertos e desacertos, conquistas e perdas, alegrias e tristezas, mas acima de tudo na vontade de se fazer o melhor, visando a conquista da verdadeira democracia.

17 de outubro de 1797. Bragança Paulista, até então Freguesia do Jaguari, é elevada à categoria de Vila Nova Bragança e nomeia seus primeiros administradores. Desta data até 1930, a Câmara Municipal exercia todas as funções administrativas da cidade. A primeira Câmara Municipal é eleita em 1º de dezembro de 1797, através de processo eleitoral do qual participavam somente proprietários de terras e de escravos e/ou títulos honoríficos. Com mandato de um ano, a Câmara é composta por dois juízes ordinários, três vereadores e um procurador, sendo mantida essa mesma estrutura no período colonial.

Em 1824, a Constituição concentra a função executiva nas mãos do Presidente da Câmara, sendo nomeado para o cargo o vereador mais votado. A partir daí, as eleições são realizadas dentro dos princípios do regime imperial, passando a Câmara a ser formada por sete vereadores com mandato de quatro anos. Com a elevação de Bragança à categoria de Cidade em 1856, número de vereadores passa de sete para nove.

Em 24 de fevereiro de 1891, a Constituição Republicana atribui aos Estados o Poder de Organização dos Municípios. No Estado de São Paulo, a partir de 1893, é criada a figura do Intendente Municipal, como responsável executivo pelas ações do Governo perante a Câmara Municipal. A intendência ainda não representava uma separação entre os Poderes Legislativos e Executivos.

Galeria de Ex-Presidentes

Galeria de Ex-Presidentes

Nesse período, o mandato dos vereadores era de três anos, tendo um presidente e um vice-presidente eleitos anualmente dentre seus membros, cabendo-lhes a administração local. O número de vereadores era proporcional ao de habitantes.

Nunca inferior a seis, nem superior a dezoito. Os vereadores eram eleitos por sufrágio direto e maioria dos votos. Na época, havia um processo de qualificação dos eleitores.

No Governo Vargas, as câmaras municipais perdem o poder administrativo das cidades. Nesse período, a Câmara de Bragança Paulista funcionou de 1936 a 1937, quando foi dissolvida nos termos do artigo 178 da Constituição de 10 de novembro de 1937, voltando a funcionar somente a partir de 1948.

No período de 1946 a 1964, os municípios passam a ser organizados por leis estaduais - Lei Orgânica dos Municípios. As câmaras são compostas por vereadores, com número fixado periodicamente por lei, para um mandato de quatro anos. O Órgão Legislativo do Município passou a ser dirigido por uma Mesa, composta de presidente, vice-presidente e secretários eleitos pelos vereadores para mandato de um ano, posteriormente alterado para dois anos.

A Constituição de 1988 atribui aos municípios o que antes era competência dos estados: a Lei Orgânica. Promulgada em 02 de abril de 1990, a Lei Orgânica do Município de Bragança Paulista determina o número de vereadores proporcional ao número de habitantes do município. A Câmara Municipal da Estância de Bragança Paulista, nos termos da Lei Orgânica, é composta por dezenove vereadores, com mandato de quatro anos.

A partir da legislatura 2004, por decisão da Justiça Eleitoral, através da Resolução do Tribunal Superior Eleitoral Nº 21.702/2004, em atenção ao Rec. Extraord. 197917, ficou fixado em 11 o número de vereadores para municípios com população entre 95.239 e 142.857 habitantes.

Em 2009, a Emenda Constitucional nº 58, de 23 de setembro, estabeleceu um novo limite máximo para a composição das Câmaras Municipais em proporcionalidade ao número de habitantes dos municípios. Em Bragança, o número de cadeiras voltou  a ser 19.